Chamei-lhe Josefina.

 

 

O seu rosto lembrava-me um Mimo. Muito branco, olhos grandes, cabelo preto, algo ondulado. Era um rosto de um Mimo. Sorri quando vi aquele corpo frágil ingerir um entrada, mais o couvert, mais o primeiro prato, mais uma sobremesa. Sorri ainda mais quando a vi fechar os olhos sempre que tomava um pouco do copo de vinho tinto que tinha pedido. Era vê-la num puro prazer.

 

Tinha um olhar triste e vazio. Parecia fugir de todos.  Um corpo de 50 anos, sem grande expressão, para além de deglutir um alimento. Olhava para o rio com algum interesse.  De resto, apenas estava.

 

No entanto, escolheu um local hip, onde era raro estar uma mulher sozinha, daquele tipo. Esta é a verdade.

publicado por imprevistoseacasos às 12:11 | comentar | favorito