A minha vizinha

 

Hoje acordei com a voz dela, gritando "Sempre vem D. Gina?"Estremeci, primeiro por causa do som de cana rachada, depois porque a minha vizinha, afinal, conhecia a alegria de convidar alguém para alguma coisa. Vi-a depois, já no passeio, curiosamente sem bata e com o cabelo mais ondulado do que o habitual. Algo nela tinha mudado desde a última vez em que trocámos algumas palavras. Contou-me. Tinha saído de Lisboa, tinha ido à terra, quase uma semana. "Veja bem, convenci-o a sairmos daqui uns dias. Já há vários anos que não saia deste bairro!" Estava diferente, falava-me olhos nos olhos e hoje até tinha, certamente, passado mais tempo ao espelho enquanto tinha um discreto e absolutamente novo batom nos lábios.

 

publicado por imprevistoseacasos às 12:52 | comentar | favorito