a minha vizinha II

 

 

Pois é...algo se passa aqui ao lado. Há uns tempos para cá, sai sozinha, equilibrada nos seus sapatos com tacão, cabelo arranjado, com um ligeiro batom nos lábios secos. Tranca a porta, acende a luz, quer seja dia, quer seja noite, e lá vai ela todos os domingos, certamente à missa, sozinha. Já vos contei que este ano já foi à terra arrastando, finalmente, o seu marido, sempre contrafeito. Passados anos, esta mulher, já madura, espera nestes últimos dias, que o X saia, que vá dar o seu passeio, levando na mão o saco do lixo, diz-lhe que se demore, que beba café, que lhe dê, a ela, descanso e uns minutos com o Alfredo Marceneiro. Esta tem sido a sua companhia predilecta dos últimos dias. É verdade. Abre as janelas da marquise e ouve-se o fado vadio na rua. A minha vizinha dá-nos música e até já recebe visitas de outra vizinha do r/c. Algo mudou no íntimo desta madura mulher...

 

publicado por imprevistoseacasos às 14:41 | comentar | favorito