Andava perdido...

 

Desta vez andava perdido na rua, sem entrar na livraria. Parecia uma dança que só ele conhecia. Sapatilhas brancas, jeans, camisa castanha desabotoada três botões, cabelo nos olhos, escorrido, castanho, mal cortado. Transpirava, falava alto e aproximava-se das pessoas que entravam na livraria, com perguntas estranhas, do tipo: " já fizeste filhos?", "és feliz?", o que és?", e muitas outras que levavam à  corrida precipitada para dentro da loja.

Não entrei, apenas observei de longe aquele homem, culto, doente, tão só.

Tenho escrito, aqui, sobre ele. Não imagino o que estará a fazer agora, mas sei que anda com um livro na mão, talvez o Ulisses...

publicado por imprevistoseacasos às 15:49 | comentar | favorito