Agosto no Alentejo

 

Domina tudo. Este calor, o sol, o amarelo, a ausência de brisa fresca, a indolência. Nada se pode fazer a não ser acolher a modernidade dos ares condicionados, fechar tradicionalmente as portadas, dormir a sesta e começar a sorrir quando a tarde chega ao seu fim e o sol, condescendente, arrefece, afasta-se e dá lugar à tão desejada brisa nocturna.

publicado por imprevistoseacasos às 19:20 | comentar | favorito